terça-feira, 14 de junho de 2011

Pais que nunca estão lá...

Eu sou uma mãe muito presente na vida das minhas filhotas e lendo esta coluna no site da época, me deparei com um texto interessante que resolvi compartilhar.


"Fazia uma prospecção de mercado para decidir o que fazer com cinco dias de férias em julho com as crianças. Meu informante telefônico, com quem travei enorme empatia, passava-me dados sobre um famoso resort na Bahia. Liguei de curiosa, porque desisti da cara empreitada. Mas voltemos à conversa. Ele já sabia que tratava com um casal com duas meninas pequenas.

- Temos muitas atividades para as crianças…digo, para a mais velha, então, a senhora só precisa vê-la à noite.

- Não, eu preciso vê-la o dia todo. Ela é muito bonitinha.

Ele riu. Eu também.

- Que horror, não é, isso, mas tem muita gente que está preocupado com as atividades para as crianças, a senhora sabe, ter o que fazer o dia todo.

- Sei. Mas não queremos nada disso. Preciso aproveitar enquanto elas querem minha companhia.

- Para a pequena, se precisar, indicamos babás. Elas só não dão comida e banho.

- Rapaz, vou te falar uma coisa, eu já abro mão de dar banho nela quase todos os dias entre segunda e sexta. Eu só faço a reserva no hotel se puder dar banho nas minhas filhas.

Rimos os dois.

Vamos por partes. Brincadeiras compõem o universo infantil e são especialmente bem-vindas nas férias. Chegará o dia em que elas passarão correndo por nós, gritando atrás de outras crianças e pedindo urgente, na velocidade da luz, um batom para a gincana, enquanto eu pergunto ao meu marido se entreguei a necessaire inteira para alguma das nossas filhas ou outra criança por engano. Mas minhas filhas são pequenas. E crianças pequenas querem atenção e colo dos pais.

Já me perguntaram por que eu vivia cansada quando Carol acordava duas, três, cinco vezes durante a noite. “Você não tem babá?”

Tenho, mas nunca dormiu no quarto delas, por vários motivos. Nenhum passa pelo demérito da profissional em quem confio e a quem sou muito grata por cuidar tão bem das minhas filhas enquanto estamos fora (só para esclarecer: sou grata mas pago salário, ok? Não aguento mal-entendidos).

É que no aconchego da noite, perguntas aparecem, histórias e confissões surgem, e eu quero estar lá para ouvir e responder. No escuro do quarto, a criança em eterna batalha contra o sono pede carinho. Quero estar lá para fazer. Na madrugada, pesadelos e sonhos tomam formas. E eu quero estar lá para espantar monstros e confortá-las. Um gemido interrompendo o sono pode indicar febre. Somos nós quem vamos checar. Porque quando ela chama “mamãe-nhê, ou papai-iê” é mamãe ou papai quem vai aparecer.

Além do mais, sigo a cartilha de que a babá precisa descansar porque qualquer pessoa cansada perde a paciência com mais facilidade. Mas cada família é livre e soberana para avaliar do que realmente precisa. Há pais e mães que precisam de babás que durmam no quarto. É fato da vida.

Talvez, e digo isso com toda a sinceridade, não haja nenhum mal, nem no hábito de deixar crianças e babás no mesmo quarto, nem na criança terceirizada. Porque sempre haverá histórias daquela criança que cresceu sob cuidados alheios, foi para o colégio interno, fez intercâmbio, e se acostumou a ver os pais muito pouco, desde tenra infância. Mas tornou-se um adulto ajustado, um filho amoroso, um cidadão exemplar e um ótimo pai. Tudo é possível. No cenário descrito há pouco, a única impossibilidade para os pais é construir a memória deste amor.

É disso que não abro mão.

Tem algo muito errado quando os pais não passam um minuto a sós com seus filhos. Saem da maternidade com enfermeira contratada, passam para babás que trabalham 24 horas substituídas por folguistas de fim de semana e feriados, chamadas para brincar, alimentar e dar banho. Acostumaram-se a delegar. Não precisam ir a festar infantis. Mandam seus assessores domésticos para o “dia da família” na escola. Orgulham-se de nunca ter perdido uma hora de sono, nem quando os filhos estavam doentes. São pais, mas nunca estão lá.

Depois da festa, voltamos exaustos. Crianças pra lá de Marrakesh, dez da noite. Troca uma, limpa outra como pode, faz mamadeira, escova os dentinhos na boca quase fechada, traz o travesseiro e cobertor, apaga a luz baixa, põe no berço e na cama, sai de fininho. Carol, bêbada de leite, chama. Como mamanhê estava ocupada, o pai apareceu ao do lado do berço, sem camisa. A criança deitada no berço entreabre os olhinhos. O pai pergunta “que foi, Carol?”

“Papai…cê tá pelado?”

“Não, Carol, to sem camisa”

“Ah (silêncio). Papai-i…bota a camisa”

“Tá, minha filha, e você dorme”

“Tá bom, papai”

“Eu te amo”

“E-te-amu muuuuito mais”

A outra filha, que devia estar dormindo, riu.

Quando você ouve uma criança de um ano e nove meses improvisando uma conversa, repetindo frases do filme Enrolados, e ainda pega a mais velha rindo da cena, você lembra que é preciso estar lá e zelar pela memória deste amor."

Isabel Clemente é editora-assistente de ÉPOCA em Brasília.

3 comentários:

Luh® disse...

Olá, achei seu blog "por acaso" e não resisti em espiar com mais calma, rs.
Adorei tudo por aqui, vi textos interessantes, inclusive de Augusto Cury que amo...e para minha surpresa ainda vejo uma gif aninada - essa "psiu, comenta vai!" que é de minha autoria, de um blog que eu tinha de gifs, rs. Que coisa! Eu ri qdo vi...
Enfim, já falei demais.
Parabéns pelo blog. É lindo, atual e me identifiquei bastante. Espero vc no meu tb!
Bjus, e até mais!
Luh Gosselen
@LuhGosselen
Blog Pessoal:www.esperandonajanela.zip.net
Blog de Trabalho:www.luharts.zip.net

Entre rosas e princesas disse...

Oi Luh, já visitei seu blog e comentei lá. Você não em idéia de como fico feliz quando quem visita meu blog, deixa um comentário. Faz um bem danado menina!
Ah! Gostei da assinatura do seu blog.
beijossss

Luh® disse...

Obrigada pela visita tb, querida! Fiquei feliz...
Podemos nos linkar?
Qto à gif, imagina...claro que pode usar.
O blog ainda está no ar, só que não o atualizo há anos e o intuito do blog era esse mesmo, fornecer imagens para blogs e tal, rs.
Aparece mais vezes, e vamos ser parceiras.
Bjusss.
Luh Gosselen
www.esperandonajanela.zip.net

Postar um comentário

Ao passar por aqui deixe seu incentivo, crítica construtiva, comentário, opinião, dúvida. Enfim seu recadinho que me alegrará e fará com que sempre procure postar coisas especiais.
Responderei por aqui mesmo, sempre.
Deixe o ender~eço do seu blog para que eu possa retribuir a visita!
Beijosssss

Blogger templates

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...